Bad Religion na Fundição Progresso

Bad Religion na Fundição Progresso.


O Prof. Greg Graffin e companhia, deram mais uma aula de Punk Rock, neste sábado, para o público carioca. Nada mais propício para o chuvoso feriado do Dia do Professor. A Fundição estava lotada, e com o som da casa em sua melhor forma, a energia lá dentro era frenética.

Pizza

A pizza era de Muzzarella.

Mais uma visita do Bad Religion ao Rio em que os caras não decepcionam. A verdade é que eles se sentem em casa no Brasil e fazem questão de mostrar retorno a essa receptividade que têm aqui. Em 2001, após o show dos caras no Metropolitan (atual Citibank Hall), pude sentir isso de perto, quando entrei no camarim da banda após o show, junto a alguns outros fãs, e pedi para o então baterista, Bobby Schayer (na banda de 1991 até 2001), um autógrafo em um prato de pizza de papel largado por lá. O cara desenhou o contorno de sua mão no prato e escreveu coisas aleatórias com a maior paciência do mundo. O baixista da formação original Jay Bentley também autografou a “obra de arte”. Essa atenção aos fãs é muito comum do Bad Religion, principalmente nessa fase “frágil” da banda, em que a todo instante surgem comentários sobre “pendurar as guitarras”. Após a subida de um fã no palco, que deu aquela “palhinha”, já tradicional nos shows dos caras, Greg brincou:

“Estamos fazendo um Star Search aqui no Brasil, procurando por um novo vocalista. Acho que estou velho demais para isso e já está na hora de me aposentar. Todos são subsituídos mais cedo ou mais tarde, olhem o Dead Kennedys por exemplo. E é claro, todos nós vimos o que aconteceu com o Pennywise…”

Depois, o vocalista admitiu:

“A primeira vez que viemos ao Brasil foi como um novo mundo tivesse sido aberto para nós. O público sabia todas as letras de cór e cantavam este refrão a plenos pulmões. Hoje nós esperamos o mesmo de vocês…”

Logo antes de começar “I Wanna Conquer The World”. O setlist (confira abaixo) passou por toda a carreira de 30 anos da banda – na medida do possível – incluindo três músicas do disco novo “The Dissent Of Men”, e finalizando com um bis de clássicos: “American Jesus” depois de um pequeno solo do baterista Brooks Wackerman, “Infected” e “Sorrow”.

“A todos que foram aos shows de Curitiba, São Paulo e Rio, obrigado. Não consigo expressar o quão incrível esta viagem foi para nós. Brooks e eu ainda estamos sentados aqui com sorrisos gigantescos lembrando de tudo que aconteceu. Honestamente, obrigado demais por ter vindo, cantado, jogado coisas, subido ao palco para cantar, dançar e simplesmente fazer de tudo sensacional. É bom saber que temos grandes amigos aqui. Até a próxima!”

– Jay Bentley, pelo twitter

O ganhador da promoção Layback e Fundição Progresso no Facebook da Layback foi Alexandre Baltazar. Confira aqui a frase vencedora e sua resenha após o show:

Layback Facebook

Layback Facebook

Setlist:
The Resist Stance
Social Suicide
21st Century (Digital Boy)
Los Angeles Is Burning
Wrong Way Kids
Overture
Sinister Rouge
Atomic Garden
Before You Die
Recipe For Hate
I Want To Conquer The World
Come Join Us
New Dark Ages
Do What You Want
You
Modern Man
Generator
The Defense
Let Them Eat War
No Control
Anesthesia
Along The Way
Fuck Armageddon… This Is Hell
Bis:
American Jesus
Infected
Sorrow
  • http://www.facebook.com/natan.henrique Natan Henrique

    Gostei do show, até por ser fã e tal, mas não achei tão empolgante, esperava mais, assisti a dois outros shows que foram melhores, inclusive este do Metropolitan. Talvez a idade dos caras tenha pesado, mas foi um show correto. abço

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=612108898 Natan Henrique

    Gostei do show, até por ser fã e tal, mas não achei tão empolgante, esperava mais, assisti a dois outros shows que foram melhores, inclusive este do Metropolitan. Talvez a idade dos caras tenha pesado, mas foi um show correto. abço

  • Deivid – Vitória

    Foi um showzasso!!! Demais mesmo. Fui de Vitória para o Rio bate-volta só para este show. Eu já havia assistido um show em Curitiba (se não me engano em 99), mas este no Rio foi demais. Curti lá do alto da arquibancada as primeiras músicas, quando tocou 21st century me arrepiei e fui pra galera. Depois de muito empurra-empurra fiquei lá no gargarejo e pude sentir toda a emoção dos caras em fazer o show. E como brinde, fui agraciado com a baqueta jogada pelo Brooks (linda e personalizada).
    Bad Religion Rules!!!!!!